Se você vivesse por 5 mil anos, qual seria a sua religião?

O Deus em que você acredita hoje é sorteado baseado na sua época, cultura, tradições e região, e posso te exemplificar isso



Se você vivesse por 5 mil anos, veria de perto a expansão do império romano, um dos maiores que já existiu, e levaria a palavra de Zeus para todos os cantos da Europa, Ásia e África; faria oferendas, frequentaria cultos e pediria a proteção de Zeus. Porém, também presenciaria o fim desse império. Zeus, então, viraria um ser mitológico.

Agora, você viveria com os nórdicos. Observaria que a fé deles era tanta, que se matavam em nome de Odin nas batalhas para alcançar a salvação. Passaria a cultuá-lo, realizaria rituais, sentiria a sua presença e se prepararia para o reino de Valhalla. Mas, como o império romano, a era nórdica chegaria ao fim. Odin seria a nova mitologia do pedaço.

O império persa, com Ahura Mazda, acabaria; o egípcio, com Rá, também acabaria. Isso sem contar com outras civilizações, povos, tribos e seus respectivos deuses ao redor do globo.

Então, te pergunto: qual é o seu Deus hoje e por que ele é mais importante do que o de ontem e o de amanhã? Com deuses se tornando mitologia por regra, e não exceção, por que acreditaria no próximo da lista? Lembre-se que, nessa loteria divina, você sempre estará no paraíso de um e no inferno de outro.

Quando você observa as coisas e pessoas por um ângulo histórico, usando a régua dos 5 mil anos, é fácil perceber o quanto a sua própria vida é apenas um pixel do todo, e o Deus em que acredita, mais alguns pixels preenchidos – e só. Ele é apenas mais um em um mar de deuses; e, talvez, estes deuses sejam apenas formas de preencher as lacunas do que não sabemos explicar, e quando sabemos, o espaço que eles ocupam fica menor (a teoria do Deus das Lacunas).

 

 

A religião traz um conforto espiritual fantástico: responde todas as perguntas que geram angústia; desvenda e traz os segredos do universo; cria união entre pessoas com os mesmos interesses e faz você se sentir importante em participar dos “planos de divinos”. Deus é um ótimo substituto ao colo de mãe e preenche a nostalgia que sentimos quando adultos, pois nos dá a mesma sensação de sermos protegidos por alguém superior.

Como negar tudo isso? Como não querer ter Deus na própria vida? Como recusar a eternidade no paraíso? Mas, para mim, acima dessas questões, há uma mais relevante ainda: acreditamos em deuses porque eles são verdadeiros ou apenas porque nos trazem conforto?

Então, te convido a refletir: se você vivesse por 5 mil anos, qual seria a sua religião?

 

 

O Pai estará on

Você é desafiado ou desinteressado?